Perguntas Frequentes

bem-estar

Perguntas Frequentes

Veja em baixo as perguntas e respostas para as perguntas frequentes que temos...

As gorduras não são todas iguais?

Não, as gorduras que existem nos alimentos têm diferentes fórmulas químicas e diferentes funções no organismo. As gorduras podem dividir-se em dois grandes grupos: as saturadas e as insaturadas, que se distinguem a olho nú pela consistência à temperatura ambiente. As gorduras saturadas são sólidas à temperatura ambiente e existem na manteiga, queijo, nata, carne vermelha e produtos de pastelaria. As gorduras insaturadas são líquidas à temperatura ambiente, e incluem os óleos vegetais, o azeite e as gorduras do peixe. As insaturadas podem ser do tipo mono-insaturado ou poli-insaturado (ambas importantes mas com efeitos diferentes), e têm efeitos benéficos diminuindo o risco de doença cardíaca, enquanto as saturadas têm efeitos contrários.

Como é que se deve ler a tabela nutricional?

A tabela nutricional que existe nos rótulos dos alimentos refere não só a gordura total mas muitas vezes também refere quanta dessa gordura é saturada e quanta é insaturada. Esteja sempre com atenção aos rótulos de modo a fazer as compras mais inteligentes. Prefira sempre alimentos cujas gorduras sejam essencialmente insaturadas, e evite os que contêm gordura hidrogenada nos ingredientes. Não faz sentido comprar alimentos, mesmo que mais baratos, que possam contribuir para diminuir um dos seus bens mais preciosos: a saúde!

De onde se obtêm os óleos vegetais?

Os óleos vegetais são obtidos a partir de sementes oleaginosas (girassol, canola, linhaça, amendoim), de leguminosas como a soja, de cereais como o milho e o trigo, e de frutos como a noz e a avelã. A obtenção de um óleo puro pretende aproveitar ao máximo as gorduras insaturadas e outros nutrientes benéficos fornecidos pelos alimentos em natureza, separando-o dos outros constituintes do grão ou fruto, que poderão por sua vez ser usados para outros fins.

É verdade que a OMS recomenda a ingestão diária de gordura?

Sim, claro. Toda a alimentação humana deve conter gordura, tanto para assegurar a energia necessária para viver e crescer, como para fornecer os ácidos gordos importantes no metablismo. Segundo a OMS, as gorduras devem contribuir para 20 a 35% das calorias que ingerimos diariamente.

É verdade que alguns ácidos gordos contribuem para o estímulo das capacidades mentais?

O aporte correcto de alguns ácidos gordos da família dos ómega-3 melhora o funcionamento do cérebro. Estas melhorias já foram descritas de várias formas, tanto a nível da aprendizagem e na diminuição da irritabilidade em crianças do primeiro ciclo, mas também em jovens adultos praticantes de desportos rápidos e de pontaria, como a esgrima e o basquetebol. Estes efeitos são consequência da própria estrutura do cérebro, que é essencialmente composto por células que passam o estímulo nervoso através da sua membrana. Essa membrana é constituída por lípidos, e quanto mais ácidos gordos poli-insaturados de cadeia longa (conhecidos por DHA, EPA) e ALA, todos ómega-3, mais fluida e maleável se torna e assim melhor se faz a passagem do estímulo nervoso.

Mas não é verdade que os fritos causam obesidade?

Na realidade, o que provoca o excesso de peso é sempre um desiquilíbrio entre a quantidade de energia fornecida pelos alimentos e a energia gasta pelo organismo para viver, crescer e movimentar-se. Isto é absolutamente consensual no estudo da obesidade. Claro que há que ter cuidado com alimentos com mais calorias, mas vale a pena rever o que pensava saber. Os fritos vão ter alguma gordura acrescida que migra do óleo onde é frito, na ordem dos 30% no caso das batatas fritas de pacote e de 10% no caso das batatas caseiras em palitos. Para poder comparar, uma chávena almoçadeira com batatas fritas caseiras tem a mesma gordura que duas batatas do tamanho de um ovo (160g) temperadas com 1,5 colher de sopa de azeite.

O que são os ácidos gordos essenciais?

Os ácidos gordos essenciais são lípidos que o corpo não consegue fabricar, mas que são essenciais para o seu funcionamento, ou seja, para a vida humana. Trata-se de dois ácidos gordos poli-insaturados: o ácido linoleico, o ácido gordo mais pequeno da família dos ómega-6, e o ácido alfa-linolénico, o mais pequeno da família dos ómega-3. A maioria dos óleos vegetais são uma fonte importante de ácido linoleico, sobretudo os óleos de milho, girassol e soja. Adicionalmente, óleos vegetais, como o de canola, o de linhaça, o de noz e o de soja, são importantes fontes de ácido alfa-linolénico.

Os fritos podem fazer parte de uma alimentação saudável?

A alimentação saudável é a que fornece os nutrientes que protegem a nossa saúde. A mesma alimentação saudável implica ingerir vários tipos alimentos, 5 a 7 vezes por dia, 365 dias por ano, muitos anos de vida. Nessas refeições há espaço para todos os alimentos, uns com maior frequência e uns mais esporádicos. Os fritos podem fazer parte de uma alimentação saudável desde que siga alguns conselhos simples: escolher alimentos pouco gordos para fritar, escolher um óleo de qualidade, seguir as regras de uma boa fritura, moderar as quantidades ingeridas e espaçar a repetição de fritos intercalando-os com outros métodos culinários.

Os óleos devem ser utilizados só para fritura?

Os óleos são alimentos muito versáteis, podendo ser usado em vários tipos de preparações culinárias como fritos, assados, salteados, na confecção de bolos e biscoitos, etc. O sabor suave de alguns óleos, que respeita o sabor original dos alimentos, torna-os também muito úteis no tempero de alimentos com aromas mais subtis e na preparação de marinadas com especiarias e ervas aromáticas. Tudo isto com a vantagem de se estar a usar gorduras saudáveis.

Os óleos vegetais têm colesterol? E os fritos?

O colesterol existe essencialmente nos alimentos de origem animal. Todos os alimentos de origem vegetal são isentos de colesterol, e os óleos vegetais estão incluídos neste grupo. Os fritos vão conter apenas o colesterol contido no alimento a fritar, e não no óleo. É por essa razão que as batatas fritas (sendo os seus ingredientes apenas vegetais) não contêm colesterol.

Pode dar-se fritos às crianças?

Os fritos podem dar-se às crianças que sejam saudáveis e com peso equilibrado para a sua altura. No caso das crianças é muito importante que apenas se frite alimentos com baixo teor em gordura, como o peixe, as batatas, ou bifes de frango ou perú. Evite fritar salsichas, costoletas ou carnes recheadas com queijo. Por outro lado, deve ensinar as crianças a moderar as quantidades a comer à refeição, não exagerando na dose só porque nesse dia é o frito que adora.

Quais os benefícios para a saúde dos óleos vegetais?

A saúde é influenciada pela alimentação de várias formas, sendo uma delas o tipo de nutrientes que ingerimos e que vão ajudar a construir o nosso corpo. No caso concreto dos óleos vegetais, o organismo funcionará melhor se receber pela alimentação os ácidos gordos insaturados que existem em abundância nos óleos, em comparação com as gorduras saturadas. Os benefícios para a saúde alcançados ao trocar as gorduras saturadas pelas insaturadas estão comprovados a nível do sistema cardiovascular, com diminuição do risco de acidentes cerebrais vasculares e de enfartes. Por outro lado, os óleos vegetais são a principal fonte de vitamina E na nossa alimentação, um nutriente com uma forte acção antioxidante.

Quais os cuidados que devo ter ao fritar?

A temperatura do óleo deve estar próxima dos 180ºC, dependendo do tipo de óleo. Este equilíbrio é essencial, pois se estiver muito quente acaba por queimar o óleo e o alimento, e se estiver pouco quente permite entrada exagerada de gordura no alimento (frite congelados em porções pequenas de cada vez). Os alimentos devem estar bem enxutos, sendo habitual secá-los primeiro com um pano. O tamanho dos pedaços de alimento a fritar devem ser suficientemente grandes para que tenham menor área de contacto com óleo em relação ao seu tamanho, e suficientemente pequenos para não baixar a tempertura do óleo, que levaria a empapá-los de gordura.

Qual a diferença entre um óleo vegetal e um óleo alimentar?

Um óleo vegetal é um óleo que provém unicamente de produtos vegetais, como o milho, a soja, o amendoim ou o girassol. Por óleo alimentar entende-se o óleo que é constituído por misturas dos óleos vegetais refinados, de modo a conseguir um produto de alta qualidade. No fundo, a produção de um óleo alimentar pode ser comparada com o lotear de vinhos para obter um vinho de aroma, cheiro, cor e comportamento em fritura específicos.

Todos os óleos vegetais servem para fritar?

Os óleos mais adequados para fritar são os que têm um sabor neutro, de modo a não influenciar o sabor dos alimentos nele fritos. Devem ser capazes de originar um alimento frito com as características desejadas (sabor, aspecto, aroma, textura) e de manter a uniformidade de fritura dos alimentos ao longo da vida útil do óleo. Não devem emitir gases ou fumos após utilização. O tipo de ácidos gordos vai determinar a resistência às temperaturas, devendo verificar sempre no rótulo se é indicado ou não para fritar.

Candidaturas | Avisos legais | Mapa do site

© Copyright 2017 . Todos os direitos reservados - Sovena S.A | sovenagroup.com Desenvolvido por Yomoc